13 de nov de 2010

LUANDA, 1999




bélica
poeira

Tombas queridas, a impressão que se tem é que a África cantada pelos blocos afro baianos só existe nos livros de história ou na imaginação dos compositores. Há muito mais do que turbantes e cânticos ancestrais nas ruas de Luanda: perucas, tênis berrantes, tshirts de hip hop, ternos abóboras...

Se você sai de Luanda e vai para as cidades do interior, você se depara  com batas típicas, turbantes e tudo o mais que faz parte do nosso imaginário afro.

[MONKEY POP - Será que Andy Wharol ia gostar?]

A África de Luanda é mais cosmopolita do que supõem os compositores dos nossos blocos afros. Luanda é hip hop, samba, semba, rap, perucas alisadas, pisantes coloridos. 








A ideologia estatal de base comunista está presente em toda a cidade, nos nomes de ruas, na arquitetura, nos modos cotidianos, subjetivos. Essa semana fomos gravar uma cena com crianças sentadas no chão desenhando, muito papel, lápis, cores espalhados ao lado delas. Muita conversa pra deixá-las à vontade. Mas nada de desenho. Daí o produtor local pegou umas réguas e colocou junto dos papéis e lápis. E elas desenharam bastante. Ele disse que as crianças não aprendiam a desenhar à mão livre nas escolas, só com régua. Essa imagem me marcou mais do que a fileira de mutilados andando sem destino pelas avenidas.


Margô, os nomes das ruas são escritos em azulejos portugueses, lindos.Portugal nos chega por todos os lados. Nos azulejos, no sotaque, nos bons modos.




[out 2010]
O Roque foi fechado em 2010. Talvez porque destoasse da aura de progresso que hoje reina em Luanda. Deixou um vazio na cidade.
[foto Marcelo Barreto] 


Kinaxixe
 [OUT 2010: O Kinaxixe também foi derrubado em nome do progresso]




PEDIDOS
Xanda querida, preciso de dois favores, li que a Isto É vai vender em cd rom a história do século XX. Custa R$ 6,90 cada fascículo. Nem sei se presta, mas compre pra mim. Compre também(isso é muito importante) a Playboy de novembro (MARINA LIMA NUA!!!). Entregue na Link que eles mandam pra mim pelo malote (em tempos de guerra, um bom entretenimento é um bem precioso). Super beijo na família amada!! VIVA LUANDA, VIVA ÁFRIKA!





Luanda é a mistura da Av. Rocha Pinto com o espírito militar. Tudo é rígido e informal ao mesmo tempo e é muito melhor que seja e no lugar de ou porque e soma e não exclui como o ou.

Adoro estar aqui. De casa até a produtora são milhões de imagens, cenas, todos os dias. É difícil fotografar, mesmo da janela do carro, você tem que negociar sempre, "compro se você me deixar tirar uma foto sua" - também quando deixam é uma farra, adoram se exibir, eu também, tá tudo em casa.

No começo não me conformava em não registrar as imagens que iam desfilando na minha frente: as tochas acesas dos vendedores noturnos na Rocha Pinto, as mães com os filhos pendurados em panos coloridos nas suas costas, as cabeças dos filhos que pendiam dos panos coloridos, as fileiras de refugiados pelas ruas, os sapatos engraxados...

[fotos e textos ana dumas]

2 comentários:

  1. boa tarde,
    sou angolano, vi com atenção as suas fotos e comentários. com alguns concordei, outros não! aconselho-a a buscar melhores e variadas fontes pra atestarem a veracidade das suas informações.a proposito, a foto com a legenda: kinaxixe, está errada. porque aquele edificio é o palácio de ferro, q segundo se diz é obra de Eiffel, o famoso frances da torre parisiense! esse palacio esta situado na ra Major Kanhangulo, ex-rua direita de Luanda.

    grato pela oportunidade.
    a nossa educação anterior a colonizaçao, impõe q devemos respeitar a tudo e todos, principalmente as visitas.
    grato, bom dia, boa tarde, boa noite, fique bem,.. não fazem ml a ninguem...
    CRFD

    ResponderExcluir
  2. Carlos, obrigada pela atenção e comentário. Essa postagem trata apenas de minhas impressões pessoais sobre Luanda. Não tem valor histórico, jornalístico a antropológico. Escrevi apenas sobre o impacto que a cidade provocou em mim, sem intenção de magoar ou ofender. São apenas minhas impressões.

    ResponderExcluir